Porsche Panamera faz 10 anos colecionando polêmicas e sucessos

 em News

É difícil não pensar em 911 quando falamos em Porsche. Assim fica fácil imaginar o tamanho da rejeição enfrentada pelo Panamera, que completa dez anos de vida em 2019.

O modelo foi revelado ao mundo em abril de 2009 no 94° andar do World Financial Center, um dos edifícios mais altos de Xangai. A ambição da marca era do tamanho dos 492 metros do prédio chinês: conquistar novos (e endinheirados) clientes para a Porsche, como fez o também controverso Cayenne.

Sonho antigo

Mesmo sem as portas adicionais, o Type 530 já mostrava que a Porsche queria algo diferente há décadas….

Fazia tempo que a Porsche pensava em um modelo “diferente” do que a marca estava acostumada. O primeiro estudo foi o Type 530, uma versão modificada do 356 com maior distância entre eixos e teto mais alto.

Nas décadas seguintes vieram protótipos baseados no 911 e no 928, além do Type 989, proposta de 1989 de um cupê de quatro portas com motor V8 dianteiro.

A gente ainda não sabia, mas este Porsche 989 antecipava o que seria o Panamera

Os planos, porém, permaneceram engavetados ate meados dos anos 2000, quando os alemães levaram adiante a ideia e desenvolveram três propostas para o carro que viria a ser o Panamera.

Panamera? Quase: este é o Mirage, conceito que deu origem ao modelo

O projeto vencedor foi batizado naquela época de Mirage, e trazia muita coisa do modelo definitivo, como vocês podem ver na imagem acima. Em tempo: o nome “Panamera” veio da Carrera Panamericana, famosa corrida disputada nas estradas do México nos anos 50.

Precisava ser tão estranho?

Design era meio esquisitão, mas isso não impediu Panamera de virar sucesso

A gente sabe que gosto não se discute, mas quase todo mundo concorda que design nunca foi o ponto forte do Panamera. A primeira geração até tinha cara de 911, mas a traseira com a tampa inclinada e as lanternas desproporcionais era bastante mal resolvida.

Por dentro, o painel seguida o estilo dos esportivos da marca, com um console elevado separando motorista e passageiro e quatro bancos individuais.

Pelo menos o desempenho fazia jus à história da Porsche, com motorizações V6 e V8 e a eficiente transmissão de dupla embreagem PDK.

Mesmo com o estilo rebuscado, o Panamera fez bastante sucesso e caiu no gosto de quem procurava um sedã de luxo executivo com desempenho esportivo.

Segunda geração: mais cara de 911

Suspensão a ar e aerofólio são oferecidos no Panamera atual

O Panamera evoluiu na segunda geração em todos os aspectos. A começar pelo design, muito mais harmonioso do que seu antecessor. Além de mais futurista, o carro traz detalhes charmosos como o aerofólio retrátil dividido em três partes.

A família, inclusive, cresceu em 2017, quando o Panamera ganhou uma bela perua chamada Sport Turismo.

Ainda mais tecnológico, o modelo trouxe itens como suspensão a ar, painel de instrumentos digital e eixo traseiro direcional. O interior tem uma grande tela central de 12,3 polegadas, pela qual é possível controlar várias funções.

A cabine do Panamera ficou bem mais moderna – e olha só essa tela de 12,3 polegadas

É claro que o modelo continua agradando quem não dispensa esportividade. Isso acontece até nas versões híbridas, como a 4 E-Hybrid. Ela combina um motor V6 2.9 biturbo a gasolina de 330 cv e 45,8 kgfm de torque máximo com outro elétrico de 136 cv e 40,8 kgfm. O resultado é uma potência combinada é de 482 cv, com 71,4 kgfm de torque.

Save the Wagons: Porsche resolveu apostar nas peruas com a Panamera Sport Turismo

Já a versão Turbo S E-Hybrid faz o Panamera híbrido andar feito um superesportivo. O motor V8 4.0 biturbo movido a gasolina gera 440 cv e o motor a eletricidade entrega 136 cv. A potência combinada é de 680 cv e 86,7 kgfm, fazendo dele o Panamera mais potente da história. Os números de desempenho impressionam, com aceleração de 0 a 100 km/h em 3,5 segundos de 0 a 100 km/h e velocidade máxima de 310 km/h.

Com tudo isso, o Panamera se consolidou ainda mais dentro da linha. Dos 256.255 veículos que a Porsche comercializou no mundo em 2018, o Panamera respondeu por 38.443 unidades — um aumento de 38% em relação aos números de seu antecessor. O volume, inclusive, é superior aos 35.573 exemplares do 911 vendidos globalmente.

Panamera GTS tem um belo motor 4.0 V8 de 460 cv

A liderança, porém, ainda está nas mãos dos SUVs: o Macan teve 86.031 unidades faturadas em 2018, seguido pelo Cayenne com 71.458 veículos comercializados.

Talvez você seja purista ou simplesmente prefira os cupês como o lendário 911. Mesmo assim não há como negar: o Panamera já escreveu seu nome na história da Porsche.

Recommended Posts

Deixe um comentário